Sessão Zumbi: A noite em que os mortos-vivos invadiram o cinema

Por Lyra Libero 5 de junho de 2011 Editar postagem


Agora que a gente já tem uma leve noção de que os primeiros zumbis do cinema eram corpos reanimados por vodu, vamos direto para aquele que transformou os mortos-vivos naquilo que está em nosso imaginário coletivo hoje: George A.Romero.

É claro que muitas obras separam “White Zombie” (1932) de “Night of the Living Dead” (A Noite dos Mortos-Vivos, 1968), na maioria obras tão mal feitas, com histórias fracas e sem noção que denegriram a imagem do zumbi como um monstro em potencial. Mas se hoje o zumbi é nosso monstro favorito, com seu corpo cambaleante e em decomposição, devemos grande parte a essa película de grande impacto visual. “Night of the Living Dead” tirou os zumbis da clandestinidade a qual eles vinham sendo condenados em Hollywood. Foi um filme independente, em preto e branco, que lançou Romero ao estrelato e discutiu temas profundos para um simples filme de terror.


A história é centrada em Barbra, uma moça que vai visitar o túmulo dos pais e se depara com mortos caminhando por toda parte, e em Ben, um rapaz em busca de proteção. Outros personagens aparecem, e todos tentam sobreviver àquela noite de terror, dentro de uma fazenda. Alguns são mordidos, juntando-se às fileiras de zumbis que cercam o lugar. Mas o filme é sobre quem está ali dentro, tentando sobreviver.

Romero acrescentou à mitologia zombie um importante fato: o canibalismo. Ele foi o precursor do zumbi faminto, que deseja se banquetear de nossas vísceras. Os zumbis de Romero nunca foram convencionais. Outro detalhe importante é que o zumbi passa a ter uma proximidade corpórea e emocional: os zumbis de Romero são nossos amigos, parentes e vizinhos. Sem origens místicas e de vodu ou magia que data das origens do zumbi no Haiti. Na obra de Romero, eles estão muito perto. E estão vindo para nos pegar.

“They’re coming to get you Barbra!”

Em tempo: Night of the Living Dead tem inúmeros remakes, mas nada supera o original. Na próxima coluna, a gente fala mais sobre Romero e sobre meu filme favorito dele: Dawn of the Dead (Despertar dos Mortos, 1978). Fiquem vivos até lá!

Confira o trailer de A Noite dos Mortos Vivos! (em inglês)


Fontes: WikiPedia, O Livro dos Mortos (Jamie Russel)
Foto
Autora
Lyra Libero, jornalista em jaqueta de couro, insomaniac, com banda de rock e leves tendências a filme b. Assina na coluna Sessão Zumbi. Saiba mais...
Feed Delicious Digg Facebook Twitter Orkut
  • Leia o artigo antes de chegar aqui.
  • Comentários com críticas construtivas, elogios e sugestões sempre são bem vindos. Mas educação é bom e aqui também é necessário. Se você não concorda com alguma coisa, saiba como fazê-lo.
  • NÃO ESCREVA EM CAIXA-ALTA.
  • Não coloque o link do seu blog dentro do comentário ou qualquer outro link, pois ele será editado ou apagado.
  • Os autores se reservam do direito de excluir comentários ofensivos, com palavrões, spam ou anônimos e de editá-los sem nenhum aviso prévio.
  • Não escreva em internetês, com miguxês ou com erros bizarros de Português.
  • 2 Comentários

    os filmes daquela época tinham um que de refinado.hoje é só tripas e mortes. mas ainda há esperanças.

    Mas foi justamente Romero que trouxe tripas e mortes ao cinema zombie. Mas mesmo assim era uma coisa mais sussa. Esse filme é bão demais.

    Postar um comentário

    ATENÇÃO, HUNTER!


    Para que a interação no blog seja a melhor possível, tenha em mente as seguintes regras:
    - Não poste como anônimo, pois seu comentário será EXCLUÍDO. Logue-se em algum sistema ou deixe nome e URL, que pode ser o seu Twitter;
    - Não ofenda, não use palavras de baixo calão, não escreva com miguxês, internetês e similares. Escreve no bom Português;
    - Isso aqui não é uma Democracia nem a casa da mãe Joana, pois comentários que estejam fora do assunto do blog, que venha com links, spam ou qualquer outra coisa que não esteja nos conformes, será EXCLUÍDO;
    - Não deixe seus links aqui. Isso não é página de recados;
    - Nossas postagens estão protegidas, leia a nossa Licença;


    Obrigada!